quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Minetta Tavern

Depois do longo dia na Filadéfia jantamos no Minetta Tavern. Vimos por lá a Dita von Teese, aquela artista de burlesque. O Minetta é muito legal, ainda mais no inverno, pois é bem cozy, toca música alta e é lotado!! A vibe é bem legal, porém bem agitada!! O burguer daqui é um dos mais bem cotados de NY,  você pode escolher entre o Minetta Burguer ou o Black Label Burguer! Eu fui de Black Label e não me arrependi!
fotos do site do Mineta



segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Um dia em Filadélfia

O Day 04 do Tour des arts começou bem cedo, pegamos o trem na Penn Station , a estação de trem que fica na 8a. entre a 31th e a 33th sob o Madison Square Garden, rumo à Filadélfia na Pennsilvanya.
Como a cidade fica a uma hora e meia de trem de NY fizemos um bate-volta, que deixou "gostinho de quero mais".
A cidade é a quinta mais populosa dos Estados Unidos e é o centro econômico e cultural do Vale do Delaware. Foi aqui que foi  assinada a Declaração de Independência em 1776 e a Constituição em 1787. É conhecida por suas artes e cultura e tem mais esculturas ao ar livre e murais que qualquer outra cidade americana. Ou seja, a cidade é um prato cheio para quem gosta de artes.
Chegamos a belíssima estação de lá, tomamos um café por lá mesmo, pegamos um táxi  e partimos rumo ao Philadelphia Museum of Art. Este museu ficou famoso por causa do filme Rocky, onde Silvester Stallone sobe as escadarias do museu correndo. Vimos várias pessoas fazendo o mesmo para tirar fotos, inclusive eu, tsss.... 
O museu guarda um dos mais importantes acervos de arte nos Estados Unidos e fomos até lá para ver algumas das obras do revolucionário artista Marcel Duchamp, pois o museu é um dos melhores locais do mundo para ver seus trabalhos.
Para saber mais sobre Philly - apelido carinhoso da cidade - separei uns links:
do Viaje na Viagem, do MauOscar e o Visit Philadelphia.
Vejam a foto acima do interior da estação com destaque para a escultura chamada Anjo da Ressureição



Acima as icônicas escadarias do filme Rocky e abaixo a estátua que fica logo ao lado da entrada para o museu.
Abaixo algumas das obras de Marcel Duchamp que vimos por lá:
Acima a obra 50cc of Paris Air : Duchamp comprou este ampola vazia de um farmacêutico e trouxe de lembrança de viagem um pouco do "ar de Paris" como uma lembrança para seu amigo e patrono, Walter C. Arensberg. Abaixo alguns de seus "ready-mades": Bottlerack e Bicycle Wheel

Abaixo o quadro A noiva e outros trabalhos relacionados a obra O Grande Vidro - um dos principais motivos da nossa peregrinação até Filadélfia


Abaixo O Grande Vidro: "Certamente uma das obras mais enigmáticas de arte em qualquer museu, O Grande Vidro domina uma galeria dedicada à obra de Marcel Duchamp do local exato em que ele colocou em 1954. Executado em dois planos de vidro com materiais não convencionais, tais como folha de chumbo , fio de fusível, e poeira, a aparência do vidro é o resultado de uma combinação extraordinária de procedimentos possibilidade, estudos de perspectiva cuidadosamente desenhados e artesanato trabalhoso. Em seu aspecto metafísico, notas preparatórias volumosas de Duchamp , publicados em 1934, revelam que a sua " imagem hilariante" destina-se a diagramar o andamento errático de um encontro entre a "noiva ", no painel superior , e seus nove "pretendentes" reunidos timidamente abaixo em meio a uma grande variedade de aparelhos mecânicos misteriosos. Exibido apenas uma vez ( em 1926 no Museu de Brooklyn ) antes de ter sido quebrada acidentalmente e laboriosamente reparados pelo artista do vidro se juntou a coleção do Museu em 1953 e tornou-se progressivamente objecto de uma vasta literatura acadêmica e objeto de peregrinações para inúmeros visitantes atraídos pela redefinição espirituosa , inteligente e libertadora que uma obra de arte pode ser." - Anne d' Harnoncourt , do Philadelphia Museum of Art: Manual das coleções (1995), p . 316 .

e abaixo mais alguns dos inúmeros trabalhos maravilhosos que vimos por lá como
Joseph Albers
Chagall
Lautrec
mais Chagall
Paul Klee
Bruce Nauman
E acima esse aquário com uma réplica da Sleeping Muse de Barncusi do artista Pierre Huyghe. Almoçamos no museu mesmo e como acabamos cedo deu tempo de fazer um city tour pela cidade, que deixou com vontade de quero mais.






Acima a escultura LOVE de Robert Indiana



Acima a Basílica de São Pedro

Acima e abaixo a Academy of Natural Sciences

Acima e abaixo a Fundação Barnes que também é um museu maravilhoso cheio de obras impressionistas

O museu Rodin também vale a visita, é a segunda maior coleção depois da de Paris
Acima a casa do filme Sexto Sentido




domingo, 25 de janeiro de 2015

Carbone NYC

Fomos jantar no Carbone, depois de ouvir falar muito e ler em alguns lugares, todo mundo falando tanto que queríamos ir de qualquer jeito. Foi um decepção geral, não só pela alta expectativa como a vibe caída do lugar e a má vontade dos garçons em geral...(vejam isso foi em março de 2014). É que muita gente adora postar e dar dica do que é novidade, mas ainda acho que na maioria das vezes é melhor ir num restaurante mais antigo e consagrado - tipo preferia ter ido mil vezes a um Marea por exemplo...ou alguma opção mais sossegada como o Morandi. Ok, pode ser que eu tenha pego um dia ruim (meu restaurante preferido em SP, o Maní, não gostei da primeira vez que fui). Se alguém discordar ou quiser arriscar, fica aí o link do Carbone.




sábado, 24 de janeiro de 2015

The Modern - Bar Room

Day 03 - Almoço: Depois de nossa visita ao MoMA almoçamos lá mesmo no The Modern Bar Room. Eu já mostrei o restaurante The Modern aqui no blog, a diferença entre os dois é que o The Modern é um pouco mais sofisticado, tem 1 estrela no Michelin e é bem mais concorrido, reservas só com antecedência! Já o Bar Room é uma ótima opção um pouco mais informal, porém bem legal também, além de ser um almoço mais rápido...assim sobra tempo pra uma comprinha...ninguém é de ferro!! Abaixo os drinks com os quais brindamos nossa visita e alguns dos pratos.





e por último a foto acima do Bar Room do site do MoMA.