sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Whitney Museum Biennial 2014

Na primeira manhã  (16/03/14) do nosso "tour das artes" fomos visitar a Bienal do Whitney Museum of American Art. "A Bienal do Whitney Museum é o maior evento “caça-talentos” das artes americanas. Muitos dos artistas participantes são jovens e são escolhidos para mostrar o que tem sido produzido no país. Entre 7 de março e 25 de maio de 2014, acontece a próxima edição do evento que será também a última a acontecer no icônico prédio projetado por Marcel Breuer – antes de o Whitney se mudar para Downtown (o novo prédio projetado por Renzo Piano deve ser inaugurado no começo de 2015 vai ficar perto do Highline e das galerias do Chelsea). Nesta edição, a Bienal conta com três curadores – Stuart Comer, Anthony Elms e Michelle Grabner – sendo que cada um cuidará de um andar do museu. No total, serão 103 artistas, que trabalham sozinhos ou em coletivos, usando diversos tipos de mídia – dançarinos, escultores, artistas-curadores, ativistas, etc." Texto Magnólia Costa. Vejam aqui esse filminho que explica muito bem como vai ser o novo edifício.
Sugiro dar uma olhada no sie para ver as exposições que estarão rolando quando forem viajar, sei que agora está tendo uma grande do Jeff Koons.
Vejam um pouquinho do que vimos por lá na Bienal:


"BENDER Nascido em 1951 em Seaford MORREU 2004 em Nova York, NY
VANDERHYDEN NASCIDO 1978 em Menasha, WI Vive e trabalha em Nova York, NY
Em uma entrevista de 1987 , Gretchen Bender disse : "Eu penso nos meios de comunicação como um rio canibal. Um fluxo de corrente que absorve tudo." Trabalhos de Bender em fotografias, filmes e instalações abordou este fluxo incessante de informações e imagens que emanam de filmes, televisão e publicidade. Desde o início de sua carreira na década de 1980, Bender estava intimamente ligado aos artistas da chamada Geração de Imagens, que assumiu preexistentes imagens , que pegaram textos e conceitos preexistentes e conceitos de cultura e reposicionou-os em sua arte como uma forma de leitura e desconstrução de códigos culturais complexos. Embora seu trabalho tenha sido exibido e discutido amplamente na década de 1980, Bender não teve sucesso crítico ou comercial relativo ao de seus pares.

Ao longo dos últimos dois anos, artista radicado em Nova York, Philip Vanderhyden tem trabalhado para reconstruir e apresentar uma série de performances e obras de arte de vídeo de Bender. Pessoas com dor, originalmente exibido em 1988, apresenta um campo amassado de vinil backlit com neon iluminando uma série de títulos de filmes, apontando para os significados culturais e narrativos desses. O trabalho original nunca encontrou um lar permanente; caiu em desuso e foi descartado após a morte de Bender em 2004. Vanderhyden o refez com um interesse em como "ressurgimento" da peça ilustra o modo como "nossas experiências culturais vivem e morrem." Os títulos iluminados, invocando filmes de décadas atrás fazem referência a um momento cultural que é passado, se não esquecido; ao mesmo tempo, o comentário de Bender nos abrangente fluxos de informação só se tornou mais relevante para nossos dias."


"Joel Otterson
1959 nascido em Los Angeles , CA Vive e trabalha em Los Angeles , CA 
Combinando arte e artesanato, Joel Otterson produziu por mais de trinta anos e artes decorativas inspiradas em igual medida pela classe média americana (mais especificamente a californiana) espaços domésticos e cultura não convencional. Os lustres mostrados na Bienal são construídos a partir vidro baratos de brechó e modelado segundo os "lustres Birdcage" Baccarat do final do século XIX, bem como a famosa Bottle Rack de Marcel Duchamp (1914), uma referência que traz o trabalho de Otterson em diálogo com a tradição de escultura readymade . Também exibidos uma cortina e a cabana igualmente mesclam o cotidiano com o requintado em um modo que abraça a ironia do campo estético."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui que o mais breve possível eu responderei com prazer!